Ser bissexual não é querer estar (ao mesmo tempo) com um homem e uma mulher. Esse é um preconceito tão disseminado que até alguns homossexuais pensam dessa forma.

Como já tratei por aqui, quando eu entrava em salas de bate-papo para lésbicas e me identificava como bissexual, muitas garotas deixavam de falar comigo. Os argumentos eram os piores: “A qualquer momento você pode me largar por um homem” ou “Você ainda não decidiu o que quer”. E por aí vai.

A psicóloga de uma amiga minha chegou a dizer que ela não poderia ser bissexual, que era preciso tomar uma decisão – como se realmente isso fosse uma opção. Qual é a dificuldade em aceitar que podemos nos atrair por ambos os sexos? E por que não ficar com uma pessoa por esse motivo? A traição pode vir de qualquer forma, sendo a pessoa heterossexual, homossexual ou seja lá o que for. A diferença está no respeito que essa pessoa terá por você.

Outro grande problema é julgar que os bissexuais estão sempre “disponíveis” para qualquer tipo de aventura. Muitos casais “heterossexuais” entram nas salas de bate-papo em busca de garotas bissexuais. Já ouvi até histórias de meninas que fingiam ser lésbicas, namoravam por um tempo a garota e depois revelavam que tinham um namorado. O objetivo? Convidar essa menina para um ménage à trois (sexo a três, para quem não conhece a expressão). Isso sim é um desrespeito.

Eu não sou contra nada. Acho que as pessoas devem fazer o que têm vontade. Desde que todos estejam de comum acordo e saibam previamente a intenção das outras pessoas.

Só quero lembrar que ser bissexual não é estar perdido ou  indeciso. Se assim o fosse, não haveria possibilidade de ser feliz com ambos os sexos. Provavelmente você conhece algum bissexual que pode te confirmar isso.