O mais difícil em uma relação homossexual é não ter coragem para falar com todo mundo sobre o assunto.

No trabalho, as meninas costumam falar dos namoros e novos relacionamentos e eu costumo só ouvir. Se me perguntam algo, costumo falar de relacionamentos anteriores com homens, mas ainda não tive coragem para contar sobre o meu namoro com uma mulher.

Meus amigos e minha família sabem, mas me incomoda não conseguir falar abertamente sobre o assunto em todos os lugares. No trabalho, todos imaginam que estou solteira e essa é a pior parte. Adoro poder falar que estou apaixonada, o que vou dar de presente de aniversário, como foi o Dias dos Namorados, etc.

Por isso estou ensaiando em como fazer isso. Acho que precisa acontecer da forma mais natural possível, sem soar como algo incômodo. Quanto mais natural conseguirmos ser nesse momento, melhor.

A namorada de uma amiga minha contou que era lésbica logo no primeiro dia de trabalho, sem nenhum constrangimento. Ela disse que as pessoas ficaram um pouco chocadas e ela simplesmente disse algo do tipo: relaxem, estamos em pleno século XXI. Essa mesma garota conseguiu se assumir aos 13 anos e nunca teve problemas com isso. Fala abertamente sobre o assunto com qualquer pessoa. E ela não tem nenhum trejeito, é feminina e faz questão de estar sempre arrumada.

É dessa forma que precisamos começar a encarar a homo e a bissexualidade. Se agirmos de forma natural, mostraremos que isso é absolutamente normal e saudável. É bem como a minha namorada costuma dizer: as pessoas não precisam aceitar, mas devem respeitar. E dessa forma criaremos um ciclo importante que acabará com a hipocrisia da sociedade. Existem mais homo e bissexuais do que possamos imaginar, vocês que visitam o blog são prova disso. Mas as pessoas não conseguem viver isso, porque têm medo do preconceito, da fofoca e da rejeição.

Nós só temos a perder quando negamos quem realmente somos. Vamos lembrar que não é errado ter atração pelos dois sexos ou apenas pelo sexo oposto. E se não é errado, não há motivos para esconder. Aliás, para começar a me soltar em relação a esse assunto, apresento aqui meu nome pela primeira vez. É um prazer compartilhar com vocês todas essas histórias.

Grande abraço!

Amanda

The page you were looking for doesn't exist (404)

404!

The page you were looking for doesn't exist.

You may have mistyped the address or the page may have moved.