Ouço com frequência as pessoas dizendo: pode ser gay, mas não precisa ser afetado, não precisa ser um carro alegórico. Para as meninas a mesma coisa: mulher precisa ser mulher, não pode ser masculina.

Esse é o “preconceito permitido” pela sociedade atualmente. Ser homossexual pode, só não pode mostrar que é. Isso é um completo absurdo. Mais ainda porque os próprios gays e lésbicas também têm preconceito contra os “mais afetados” (eu diria, os mais corajosos)

Para mim, a explicação é simples: ainda existe um preconceito muito grande e muita ignorância sobre o assunto. No fundo, muitas pessoas ainda não julgam a homossexualidade (ou a bissexualidade) como algo natural e ficam tentando se esconder  com essas colocações.

Na verdade, uma pessoa quando mostra que sente atração pelo mesmo sexo incomoda as outras pessoas. Andar de mãos dadas incomoda, o beijo na novela incomoda, falar sobre o assunto na escola incomoda. E as pessoas insistem em fingir, com afirmações “politicamente corretas”, que estão muito confortáveis com a homossexualidade cada vez mais aparente.

Não é que o mundo mudou. Aliás, não mudou em nada, a homossexualidade e a bissexualidade sempre existiu. Mas por uma série de motivos (que envolvem religião e outras questões que todos já sabemos), esse sentimento virou um fruto proibido, uma ação pecaminosa, quando na verdade é só mais um sentimento humano e genuíno.

Precisamos parar de fingir e realmente aceitar com naturalidade todas as formas de amor.