Muitas celebridades e personalidades já assumiram que são gays ou bissexuais (veja nesse link alguns deles). A exposição não é fácil. As pessoas criticam, xingam e até deixam de ser fãs quando alguém resolve se assumir. Um ator de uma série famosa assumidamente gay disse recentemente que apoiava o casamento homossexual e foi praticamente “linchado” no Facebook.

Por que as pessoas ainda fazem isso? Porque foram criadas assim. Elas foram moldadas para acreditar que isso é errado, pecado e vergonhoso. E por isso negam também a possibilidade de um dia sentirem isso. Já perdi as contas de quantas pessoas no blog me mandaram mensagens desesperadas tentando negar esse desejo. Alguns até dizem já ter pensado em se matar.

Esse medo começa nos pais. Pouca gente não teve medo de saber qual seria a reação do pai e da mãe ao contar sobre a homossexualidade ou bissexualidade.

Primeiramente, os familiares precisam começar a ler e a entender sobre o assunto para abolir qualquer preconceito. Se não acreditam em nada do que leem, pelo menos conversem com seus filhos sobre o assunto. Será que vocês estão permitindo que eles sejam felizes?

Colocar para fora de casa, ameaçar e agredir não vai mudar a identidade do seu filho. Só o deixará infeliz e com medo de ser ele mesmo.

Por que as famílias ainda sofrem com isso? São apenas duas pessoas se amando. E isso acontece desde que o mundo é mundo. Não é algo da sociedade moderna, como muitos pregam sem conhecimento.

Não canso de dizer que vivemos em uma sociedade de mentiras. As pessoas não falam o que realmente sentem ou desejam, porque elas têm medo. Medo do que os outros vão falar. Medo do que vão pensar. Medo de estarem erradas… medo, medo, medo. É a sociedade do medo. Não conseguimos fazer nada, porque temos medo de tudo.

Eu já superei alguns medos. Não todos eles, mas uma boa parte. O primeiro deles foi ter a coragem de me envolver com uma mulher e ter a certeza de que eu não estava fazendo nada de errado.

Construir uma vida com alguém, com respeito, amor e sinceridade não pode ser pecado. Nem aqui, nem em qualquer lugar do universo. Disso eu tenho certeza.