BissexualidadeMesmo que todo mundo nos diga que a homo e a bissexualidade são naturais, é difícil muitas vezes aceitar isso. Parei para refletir sobre o porquê desse nosso desconforto com essa questão e cheguei a algumas conclusões.

A primeira coisa é que existe uma hipocrisia muito grande em relação a “aceitar” de fato a homossexualidade na sociedade. É politicamente correto dizer: “eu não tenho preconceito contra gays, desde que não deem cima de mim”. Amigo ou amiga, desculpem, mas ninguém vai sair por aí te agarrando, tá? Um heterossexual sai por aí agarrando qualquer pessoa? Desde que seja uma pessoa “normal”, não.

Outra prova de desmascarar o preconceito é ouvir gente dizendo que beijo gay em novela não pode. ”Há crianças assistindo”, é o que muitos dizem. Os pais julgam que um beijo gay vai influenciar os filhos a fazer igual. Ou seja, esse “fazer igual” denota um extremo preconceito. Com essa atitude, é fato que essa pessoa não julga a homossexualidade algo “normal”. Se a julgasse não impediria os seus filhos de verem um simples beijo entre pessoas do mesmo sexo.

Muita gente ainda diz: “Ninguém quer isso para os seus filhos”. E por que não quer? Muitos dão a “desculpa” de que os filhos vão sofrer. E é verdade, eles podem sofrer mesmo… e vão sofrer porque a maioria das pessoas mascara o preconceito (e outras, por outro lado, não fazem questão de mascarar). Vão sofrer porque a sociedade diz que aceita, mas na verdade não aceita.

Sofremos ainda porque precisamos “nos preservar”. Não podemos nos beijar em uma festa de família (porque a tia ou a vizinha vão falar). Não podemos nos beijar na frente de uma criança, “porque ela vai querer reproduzir”. Não podemos andar de mãos dadas nas ruas, “porque algum louco vai querer nos bater”. E não podemos falar “para todo mundo no trabalho”, porque provavelmente algumas pessoas farão você se sentir desconfortável.

O que quero fazer aqui com vocês é um exercício de auto-aceitação. Primeiramente, precisamos começar a aceitar que tudo o que sentimentos e fazemos é absolutamente normal. Precisamos começar a falar sobre os nossos sentimentos com naturalidade e agir com ainda mais naturalidade quando estamos com os nossos parceiros. Se isso passar a ser uma cena normal aos olhos das pessoas e também aos nossos olhos, conseguiremos entender de verdade que isso não é errado.