namoro-a-distancia1Nunca esqueço de uma matéria veiculada no ano passado por muitos portais de notícias: ”namorados virtuais se encontram pela primeira vez após cinco anos de relacionamento”. Eles se conheceram pela internet em um jogo, conversaram durante três anos como amigos e decidiram namorar nos dois anos seguintes. No primeiro contato físico, ficaram noivos – o vídeo abaixo mostra o encontro dos dois.

Não sei se hoje eles ainda mantêm essa relação, mas obviamente não é algo fácil de lidar. Escrevo o post a pedido de uma leitora, que está passando por uma situação parecida. Ela conheceu uma mulher em uma rede social, fizeram amizade e logo essa relação se tornou “algo mais”, como ela me relatou por e-mail. Ao contrário do casal abordado acima, ela conta que a distância está destruindo o relacionamento. É difícil enfrentar as crises, porque o diálogo pelo celular e pelas redes sociais é muito limitado.

Ela quer a opinião das pessoas a respeito do assunto. Começo dando a minha. Eu nunca namoraria virtualmente. Primeiro porque você “cria” uma pessoa na sua cabeça. Esse “personagem” passa a ser aquilo que você gostaria que ele fosse. É lógico que você acaba se apaixonando pelas palavras que aquele ser em algum outro lugar da Terra escreve a você. Mas são a convivência e milhares de outras coisas (que sabemos muito bem) as responsáveis por criar uma relação saudável e verdadeira, ou o mais próximo disso.

A psicóloga Beatriz Cardella, autora do livro Laços e Nós: Amor e Intimidade nas Relações Humanas, disse à Veja.com que os sites de relacionamento devem servir apenas como um primeiro passo no processo amoroso. “Manter um namoro virtual pode comprometer a saúde psicológica de uma pessoa e fazê-la sofrer. O site pode ser um meio, mas não deve ser um fim”, disse ela ao site.

Foi que aconteceu comigo. Eu conheci minha namorada na internet, porque achava que era muito mais fácil encontrar mulheres interessantes na web do que em bares e baladas (é muito difícil manter uma conversa decente com alguém nesses lugares). Conversamos um pouco pela web e já partimos para o encontro. Gostei ainda mais dela pessoalmente. O jeito, o olhar, o perfume, o modo de falar, tudo me hipnotizou.

Mas poderia ter sido diferente. O papo poderia não ter fluído tão bem. Eu poderia não gostar do jeito, do perfume, do modo de se vestir, do modo de andar, de falar, de sorrir…são tantas coisas! Eu poderia ter me decepcionado muito. Aliás, já ouvi muitos relatos sobre o assunto: “Era totalmente diferente do que eu imaginava”. O contato pessoal pode te mostrar uma pessoa totalmente diferente. E essa nova pessoa pode ser muito pior ou muito melhor. Por isso talvez não seja recomendável ficar tanto tempo na dúvida. Afinal, só imaginar fica muito chato.

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=3fGRQwn9nUw]

Recomendações

Pode parecer óbvio, mas muita gente não segue algumas regras básicas. Encontros com pessoas da web podem ser extremamente perigosos. Na dúvida, não vá. Se decidir ir, não combine em um lugar vazio ou à noite. Prefira encontros na parte da manhã ou à tarde em lugares muito movimentados (shoppings, por exemplo). Sempre avise alguém da família ou amigos quando marcar o encontro. Informe o local, o horário e tudo o que puder.

A decepção às vezes pode ser maior do que você imaginava.