Ana CarolinaGeralmente as discussões são voltadas a “heterossexuais” com dificuldades em aceitar a bissexualidade. O principal motivo já sabemos: o medo de assumir para a sociedade que também é capaz de amar alguém do mesmo sexo.

Mas a dificuldade em aceitar a bissexualidade também paira sobre lésbicas e gays. Depois de assumirem para a família, para os amigos e para si mesmos a homossexualidade eles se veem assustados ao perceberem que também podem sentir atração pelo sexo oposto.

Recebi vários comentários de lésbicas confidenciando esse desejo. Muitas namoraram mulheres a vida inteira e agora se depararam com um sentimento que querem reprimir. Também conheço várias lésbicas com um forte bloqueio contra o sexo masculino. Elas encarnaram tanto a identidade de “mulheres que não precisam de homens” que parece difícil “voltar atrás” – isso para aquelas que se descobriram lésbicas mais tardiamente.

Quantas vezes já não ouvi lésbicas dizerem: “tenho nojo de homem”. É um sentimento talvez “questionável” e pode existir por alguma razão que talvez elas mesmas desconheçam (ou conheçam muito bem e então é mais fácil de entender).

Lembro quando a cantora Ana Carolina afirmou em uma entrevista que era bissexual. A “comunidade lésbica” ficou revoltada. Ninguém queria ver um dos símbolos da homossexualidade com um homem. Seria quase uma traição, é o que ouvi algumas pessoas dizerem. Parem para refletir…não é um pensamento meio absurdo? Se ela se apaixonasse por um homem, porque deixaria de viver essa nova experiência?

Assim como algumas “heterossexuais” tentam reprimir um sentimento que está doido para sair, algumas lésbicas e gays talvez estejam fazendo o mesmo. Experimentar é uma forma de se conhecer melhor, desde que você não magoe nenhuma outra pessoa, claro.

Já aconteceu com você? Conte a sua história.