sentir-bem-consigo-mesmoDepois de quase três anos com uma mulher ainda me sinto desconfortável com minha sexualidade em algumas situações.

Acho incrível quem lida com isso tranquilamente. Leio e ouço pessoas falando sobre o assunto com uma naturalidade impressionante, aparentemente sem crise alguma, como se o preconceito fosse algo do século passado.

Mas o preconceito está aí. Na família, no trabalho, nas fofocas de bar e no nosso grupo de amigos. Algumas pessoas fingem que não o sentem, mas no fundo, muita gente ainda não sabe lidar bem com esse tema. Talvez porque não entendam ou porque já sentiram atração por alguém do mesmo sexo e preferiram reprimir. Ou ainda, porque seguem alguma linha de pensamento moldada por um grupo social (ou religioso).

Então quem tenta se liberar fica um pouco confuso com tantas vozes dissonantes. Um bom exemplo é a cantora Preta Gil. Ela assumiu a bissexualidade e um tempo depois disse ter se arrependido por isso. Imagino que ela tenha sofrido muito preconceito. Nos bastidores do programa Encontro com Fátima Bernardes ela disse que fica confusa sobre ter se aberto. “Tem vezes em que eu me arrependo de ter falado isso; outras horas eu me arrependo de ter dito que me arrependi”, contou à equipe do programa, segundo o site oficial.

Dificilmente algum homossexual ou bissexual não se sentiu desconfortável em algum momento. Quando estou no trabalho ou em algum outro ambiente em que o assunto é tratado, muitas vezes, com chacota ou brincadeiras “inocentes”, me sinto um pouco mal – apesar de poucos no trabalho saberem sobre meu relacionamento com uma mulher.

Mas esse desconforto acaba diminuindo quando você procura estar rodeado de pessoas que já venceram a barreira do preconceito. Quando estou entre amigos que me apoiam e veem a bissexualidade como algo completamente natural, me sinto muito melhor.

Quando penso que muitas pessoas deixam de viver os verdadeiros sentimentos para continuar vivendo uma mentira, também me sinto melhor. E quando descubro que a maioria dos casais finge que está tudo bem, quando, na verdade, o relacionamento está em crise, vejo que boa parte das pessoas gosta mais de falar do que ser feliz.