Daniela Sea

Daniela Sea, atriz que interpreta um transexual na série The L Word

Ser transexual é nascer no corpo de uma mulher e sentir-se um homem (ou vice-versa). Até então, esse desejo era considerado um tipo de transtorno de identidade de gênero, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). Em outras palavras, o transexual era classificado como doente mental.

Esse quadro irá mudar com a nova versão da lista de doenças que orienta a saúde em todo o mundo, a CID-11 (Classificação Internacional de Doenças), editada pela OMS. A lista não trará mais a palavra transexualismo, segundo reportagem da Folha de S.Paulo, publicada neste domingo (01/12). Essa lista também já foi preenchida pela homossexualidade, que deixou de ser considerada uma doença em 1990.

Será uma grande vitória para os transexuais, vítimas constantes de preconceito até da própria comunidade GLS. Ouço com frequência comentários maldosos sobre eles vindos da boca de gays e lésbicas. “Ser gay tudo bem, mas querer mudar de sexo? Isso é um absurdo”, costumam dizer muitos homossexuais. Como também, para muita gente, é um absurdo gostar de pessoas do mesmo sexo.

Torço para que, em um futuro próximo, essa visão distorcida da sociedade seja considerada ultrapassada e as pessoas, de fato, possam viver (e ser) como quiserem.