camaleaoUm grupo de lésbicas pode se tornar quase uma religião. Tem pregação e tudo: “Não gostamos de homens, não vamos a lugares que têm homens e em hipótese alguma beijaremos homens, porque temos nojo”, Se uma integrante desse grupo for contra qualquer preceito, corre o risco de ser duramente criticada.

As amigas heterossexuais das lésbicas também as reprimem: “Você falando de homem? Ah, para, você gosta de mulher, não sabe avaliar a beleza masculina”. Ser lésbica convicta é isso, é nunca desviar do seu caminho.

Exageros à parte, há de fato mulheres que nunca sentiram a perna tremer ao ver um par de calças. A química nunca bateu e acabou. Mas há lésbicas que na verdade são bissexuais e não sabem ou nunca se permitiram saber. Explico. Entrar no mundo GLS é realmente muito, mas muito bom. As pessoas têm a cabeça mais aberta, você vai a uma festa e nenhum homem fica te puxando pelos cabelos. E o relacionamento com uma mulher é algo absurdamente intenso. É um mundo ótimo, confesso.

E sair dele é difícil. Muitas “lésbicas” já confessaram se sentir atraídas pela ala masculina, mas não quiseram correr o risco de experimentar e gostar. Outras experimentaram. Esses dias, uma amiga contou que a colega de trabalho dela era lésbica e acabou casando com um homem.

Achei a história interessantíssima. Se uma “heterossexual” que namorou vários homens pode se ver apaixonada por uma mulher, uma “lésbica” também pode se apaixonar por um homem em dado momento da vida. E por que não?

Muita gente poderia falar: “Ah, mas ela só está casando com um homem por conta da sociedade. Na verdade ela é lésbica”. É a mania que o ser humano tem de colocar tudo dentro de uma caixinha e criar sempre uma regra. Não, ela não precisa ser lésbica a vida toda se ela se apaixonou por um homem. O amor é muito mais complexo do que um gênero. Acreditar que só podemos nos apaixonar por um sexo é racionalizar muito algo que não dá para racionalizar.

É por isso que eu gosto muito da frase de um colega meu: “Eu estou vegetariano”. Ou seja, nós somos seres mutantes. A vida nos muda, as pessoas nos mudam. Uma viagem pode nos mudar. Um trabalho pode nos fazer pensar totalmente diferente. Você nunca será a mesma pessoa deste exato minuto. Depois de ler esse texto, inclusive, você pode pensar totalmente diferente do que pensava há cinco minutos. E pode se permitir sentir coisas totalmente novas.

Se permita mais, reflita mais e não se enquadre em um grupo ou um tipo de pessoa. Você pode ser quem você quiser, desde que você realmente queira.