Muitas mulheres acreditam que o relacionamento com uma mulher sempre será recheado de romantismo. Ou que elas são mais sensíveis e delicadas em uma relação. 

É uma ilusão julgar que toda a mulher lhe trará flores, bombons e pilhas de sensibilidade frequentemente. Há mulheres que só querem sexo. Outras são frias. Tem as que não sentem culpa em trair e aquelas que não sentem remorso em mentir bastante. Ser tratada como objeto por uma mulher é possível? Infelizmente sim. Há aquelas que carregam a cultura machista e não refletem sobre o que fazem.

Recebo muitos relatos de mulheres surpreendidas com essa realidade. A maioria está tendo um relacionamento com alguém do mesmo sexo pela primeira vez. As frases mais comuns: “Achava que com as mulheres seria diferente”, “Descobri que não sei lidar com mulheres, apesar de ser uma”, “Achei que minha vida seria mais fácil”.

Bem-vinda. Não, a sua vida não será mais fácil por estar com uma mulher. Pelo contrário, pode até ser mais difícil, considerando o preconceito que você poderá enfrentar.

Ana* escreveu ao BlogSouBi angustiada por descobrir que Patrícia*, a mulher por quem esteve apaixonada por oito anos, na verdade só quer saber de sexo.

Patrícia é casada e tem uma relação “semi-aberta”. Ou seja, ela e o marido estipulam algumas noites para poderem se relacionar com quem quiserem. Ana é apaixonada por ela desde a faculdade e sofreu sozinha ao ver sua amiga casar.

Há pouco tempo, Ana confidenciou à amiga que se interessava por mulheres. Patrícia começou a ficar curiosa e a fazer muitas perguntas, até mostrar que estava realmente interessada. Contou que sonhou com Ana e gostou da situação.

Tímida, Ana não conseguiu tomar nenhuma iniciativa. Estava insegura, com medo de perder a amizade. Mas a amiga, mais extrovertida, a beijou. Nos dias seguintes, Patrícia começou a mandar mensagens picantes. “Parecia até que queria sexo virtual, contava o que estava fazendo e isso começou a me incomodar”, contou Ana.

Depois de oito anos apaixonada pela amiga, Ana ficou surpresa com as reações. “Confesso que criei um estereótipo. Achei que com as mulheres as coisas seriam mais suaves, mais românticas, mas ela tem se comportado como um homem tarado. Tentei falar sobre isso e ela se ofendeu”.

A tentativa era mostrar a Patrícia que ela queria um “clima” para que tudo pudesse acontecer. “Queria ver filme, comer alguma coisa, mas ela só desejava os ‘finalmentes’. Fiquei  chateada. Não que eu não queira sexo, mas acho que sexo é consequência de um encontro agradável. Falei que ela parecia aqueles homens que chegam, ‘comem’ a mulher e vão embora”, afirmou Ana.

Respondi o relato da Ana dizendo que muitas mulheres reagem dessa forma quando descobrem o interesse por outra mulher. Elas querem apenas saber de sexo. Não há romantismo, paixão, amor. É apenas uma fantasia, um novo prazer. Algumas querem mesmo curtição e seria difícil dizer se são mesmo bissexuais. Outras acabam descobrindo mais tarde que podem ir além do prazer. E se apaixonam.

É também preciso considerar outros fatores. Há mulheres com mais desejo sexual que outras. E como sexo é um tabu na nossa sociedade, talvez muitas mulheres não saibam disso. O desejo, a quantidade, a frequência, costumam ser muito particular.

É uma grande bobagem dizer que mulher gosta menos de sexo que homem. Já recebi relatos de leitoras confidenciando que seus maridos não estão sempre dispostos ou que não “comparecem” como elas gostariam.

Infelizmente, os homens sofrem muito com isso. Nem todos gostam tanto de sexo como a sociedade “exige”. Por que um homem deve estar sempre disposto ao ato sexual? E se ele não está, por que é considerado gay?

 Como mencionado em um texto da revista Superinteressante, não há nenhum estudo científico que comprove a tese de que mulheres gostam menos de sexo. ”Não é que o desejo da mulher seja menor. Ele apenas se expressa de forma diferente, fato que pode estar na origem desse mito”, disse o sexólogo Gerson Lopes à publicação da Editora Abril.

E talvez ele seja tão diferente para cada uma que até para outra mulher possa ser difícil decifrar. Não somos iguais e precisamos de estímulos diferentes. Algumas são mais visuais, outras preferem o tato, enquanto outras não precisam de tanta coisa para verem despertar um desejo. Provavelmente, o caso da Patrícia, que prefere cortar etapas e ir logo para o ato.

O que fazer com mulheres assim, caso você se sinta desconfortável? Acho que é muito válido ser transparente. Não precisa dizer que prefere algo mais romântico, mas que o seu tempo é outro, as coisas devem seguir mais vagarosamente, com mais leveza. Se ela se incomodar, talvez não seja a parceira ideal. Ou você pode ceder e ver se, de repente, você não está apenas travada por conta da convenção social que sempre “obrigou” a mulher a ser mais recatada, a não transar no primeiro encontro e a não ser “vulgar”.

*Os nomes são fictícios para preservar a identidade da leitora

<–>

E vocês, já tiveram de lidar com esse tipo de situação? Quero ler mais histórias.