Se você acabou de entrar no mundo LGBT, primeiramente seja muito bem-vindo.  Parece um pouco assustador no início – e bem estranho -, mas essa sensação passa. Aos poucos você vai se sentir muito melhor – até chegar o momento em que você vai se sentir muito bem.

E se o momento de se sentir muito bem não chegar, algo está errado. Os alertas para isso são: você ainda não se aceitou, as pessoas ao redor não estão ajudando como deveriam ou você não encontrou uma pessoa realmente bacana para se relacionar.

Nesse começo, você vai se deparar com todo o tipo de gente. E até engatar um relacionamento, você vai ter algumas recusas perturbadoras. Entre os perfis de pessoas que não irão querer se relacionar com você está o de gays e lésbicas “experientes” que não gostam de namorar com quem está “ingressando” no mundo LGBT. Eis as questões.

Será que é só diversão?

Um dos primeiros pensamentos de quem já está na “estrada” há algum tempo é o de que “novatos” podem só querer diversão e, na verdade, não são mesmo homo ou bissexuais.

Há realmente muita gente que se envolve com pessoas do mesmo sexo apenas para matar uma curiosidade ou por que acham que é mesmo divertido.

Histórias já relatadas por leitores do blog e também na minha roda de amigos mostram que essa é uma realidade. Namoros com gente que quer se divertir duram pouco e, sem dúvida, causam frustrações.

Mas essa pode ser realmente uma justificativa para não namorar um “novato”? Afinal, a diversão pode acontecer com qualquer um, com pouco ou muito tempo “de estrada”.

A pessoa vai se assumir?

Pode ser desgastante se relacionar com uma pessoa que ainda está começando a entender a sexualidade. Na maioria das vezes, ela ainda não quer se assumir para a família e amigos. E isso pode criar uma situação incômoda para quem já é assumido e “superou” todas essas questões.

O ponto de equilíbrio pode ser conversar com a outra pessoa e tentar não ser tão radical. Ir aos poucos e ajudar a pessoa a superar esse obstáculo que todo mundo passa. Com alguém mais experiente, isso pode ser mais fácil, não?

O “novato” só precisa estar disposto a realmente superar essa questão. E não apenas prolongar isso “para sempre”.

Muitas pessoas julgam que não é necessário se assumir e é possível viver uma vida feliz e tranquila sem alardear isso para a família e amigos. Acredito que é muito difícil viver dessa maneira. Essa pessoa nunca estará suficientemente confortável com a situação. Por mais que a família e os amigos não aceitem, assumir tira um peso gigantesco das costas e ajuda muito no processo de autoaceitação.

Surgirá o desejo de outras experiências?

Há um ditado, principalmente entre as lésbicas, de que você se apaixona pela primeira pessoa que te atraiu fortemente. E se ela corresponder, logo vai querer namorar.

Muitos casais ficam por longos anos – outros nem tanto -, e em algum momento o “novato” vai querer viver outras experiências.

No entanto, não há regra. Há histórias lindas de pessoas que nunca tinham se relacionado com alguém do mesmo sexo e viveram a vida inteira com o primeiro amor homossexual. Ao mesmo tempo, também há relatos de pessoas que precisaram viver outras experiências. E tudo bem.

Enquanto continuarmos a criar esse tipo de preconceito, deixaremos de viver experiências incríveis. Deixemos de viver sob o medo.

Qual a opinião de vocês? Comentem logo abaixo! 🙂